quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Fim de ano…

Mais um ano que passa…

O primeiro completo deste blog dedicado à vida, obra e memória do Padre, Compositor e Maestro, Dr. Joaquim dos Santos. A prioridade tem sido a publicação de artigos durante todos os meses e, pelo menos, um artigo durante cada semana. Felizmente os objectivos têm sido cumpridos com muita facilidade, exceptuando alguma falta de tempo da minha parte…

Espero que o ano 2010 continue a trazer novidades e acontecimentos para a música em Portugal e, claro está, para a música do Amigo e Mestre Joaquim dos Santos.

Um grande agradecimento a todos vós que seguis o conteúdo deste blog Joaquim dos Santos, o compositor

 

Toda a música publicada durante este ano de 2009 no blog/youtube:

A música publicada no blog durante 2009:

Powered by eSnips.com

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Cancioneiro Antológico I – ACAL | A moleirinha

Cancioneiro ACAL IEm 1999 foi lançado o primeiro volume da colecção ACAL. Este primeiro volume conta com 40 composições, na sua maioria harmonizações de canções populares.

Com certeza que trata-se de uma colecção que muito enriquece a estrondosa falta de edições musicais “em português”. Mesmo assim, é uma gota no mar de desconhecimento sobre o que há nas estantes dos nossos compositores. Diga-se que, por vezes, também não é nada fácil chegar a tais estantes.

Neste primeiro volume foi editada uma canção popular trabalhada pelo Padre Joaquim dos Santos. É ela “A moleirinha” para coro a 4 vozes mistas com solista. Nesta edição optaram por não incluir uma voz do naipe dos tenores que figura no original na opção ad libitum; seria mais interessante se estivesse escrita a voz ad libitum mas até que haja outra edição, ficamos com o trabalho ACAL. A moleirinha é uma canção recolhida na década de 70 em Arões – Fafe.

Cancioneiro Antológico II | Cancioneiro Antológico III

Para adquirir este, ou outro, cancioneiro ACAL deve entrar em contacto através do e-mail:irmiranda34@gmail.com (Ivo Reis Miranda)

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Hoje sobre nós resplandece uma luz | Dia de Natal | Música para a Liturgia

O segundo Natal neste blog… Assim sendo, o júbilo que este dia nos oferece é novamente celebrado com um cântico do nosso Maestro.
Hoje sobre nós resplandece uma luz | NRMS 44 | 1987

Hoje sobre nós resplandece um luz: nasceu o Senhor. O seu nome será admirável, Deus forte, Príncipe da Paz.
Bendito o que vem em nome do Senhor. O Senhor fez brilhar sobre nós a sua luz.
Florescerá a justiça nos seus dias e uma grande paz até ao fim dos tempos.
Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo como era no princípio, agora e sempre. Ámen.

Interpretação do Grupo Vocal Ançã-ble (2008).
Na mesma linha do cântico de Natal publicado no ano passado, espero que sintam nele a mensagem de alegria que o nosso Redentor trouxe…

Um dia Sagrado… (hiperligação para cântico)

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Glória a Vós, Jesus Menino… | NRMS 76

Mais uma vez, em pesquisas que se vão fazendo… descobri este cântico do Pe. Joaquim dos Santos no youtube.

Glória a Vós, Jesus Menino é um cântico de Natal publicado na Nova Revista de Música Sacra 76, em 1995. Está publicado nas várias versões em que foi composto. Coro a 2, a 3 ou a 4 vozes e órgão. Na presente interpretação o refrão é cantado a duas vozes e as estrofes a uma voz.

Um refrão claramente ao sabor popular, no meu ponto de vista (no meu ponto de vista) uma interpretação mais lenta dar-lhe-á outra dimensão! Quanto às estrofes… são divinas, de um lirismo único. Uma melodia perfeitamente concebida. O acompanhamento do órgão é acessível e de efeito muito bom.

Sobre o coro não se encontraram muitas informações. Apenas se sabe que têm umas vozes muito bonitas e expressivas.

Esta gravação foi realizada no dia 23 de Dezembro de 2006 no Concerto de Natal em Aguçadoura…

Quem dirige e quem toca… não se sabe! (…ou não se sabia até hoje, 15 de Maio de 2010!)

O comentário objectivo é de Lenabel Carvalho…

O coro que canta o "Glória a Vós Jesus Menino" é um dos coros paroquiais de Aguçadoura, Póvoa de Varzim, está a ser dirigido por Sérgio Cardoso, e ao órgão, Eduardo Carvalho. (…)

Glória a Vós, Jesus menino, Que esperais quem Vos procura, Por um mistério divino, ao lado da Virgem Pura!

1. É de colina em colina, É de deserto em deserto, Que aquela estrela divina/ Torna aos Magos Deus mais perto.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Concerto para clarinete e orquestra de sopros | Vídeo…

Datada de 23 de Setembro de 2003, esta é mais uma obra enriquecedora do catálogo Joaquim dos Santos. A obra funciona num único andamento, embora haja evidentes mudanças de “andamentos”! Assiste-se, neste concerto, a um sem número de gestos musicais, ora mais doces, ora mais agrestes, ora líricos, ora tempestuosos… partes que fazem um todo deverás coeso.

A interpretação que se segue é de Domingos Castro (clarinete solo), com a Orquestra de Sopros da Academia de Música Valentim Moreira de Sá sob direcção de Vítor Matos.

Gravado ao vivo na Igreja de Santa Cruz em Braga no dia 21 de Março de 2005. O registo áudio é aquele típico das câmaras de filmar…mas está muito bem!

Existe uma gravação, de altíssima qualidade, desta obra na versão para clarinete e piano, realizada no Instituto Português de Santo António em Roma. Intérpretes – Vítor Matos e João Paulo Teixeira.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

“Sons da Academia” | Academia Valentim Moreira de Sá | Guimarães

Escola Vocacional de Música apoiada pelo Ministério da Educação.

Lg. Condessa Juncal Guimarães, GUIMARÃES, BRAGA 4800-159 p: 253517049 f: 253418539

Muitas foram as vezes que esta escola se dedicou à divulgação da Música do Maestro Joaquim dos Santos. Entre outras, estreou Via Crucis para Orquestra de Sopros e Coro (ad libitum).

Aqui ficam os links do Jornal que esta escola publicava e nos quais se falou do nosso Maestro…

link para artigo 15 link para artigo 9 link para artigo 11 link para artigo 12 link para artigo 13

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

A Noiva do Marão | Cantata

Maestro Joaquim dos Santos (esquerda); Bispo D. Joaquim Gonçalves (direita) Cantata para soprano e baixo solo, coro e orquestra. Apresentada pela primeira vez no dia 9 de Dezembro do ano 2000 na cidade eterna.
Mais uma vez com texto do Sr. Bispo de Vila Real D. Joaquim, a música nasce sem preconceitos no trabalho diário e talentoso do Maestro Joaquim dos Santos criando assim o seu estilo e forma de expressão artística.
Independentemente de ser quase imperceptível o português, cantado por intérpretes de várias nacionalidades, a interpretação tem muitos momentos de óptima qualidade. Mais uma vez a forma coral que figura no centro da obra é de uma beleza própria de quem já antes tinha escrito “Tomai, Senhor, e recebei”, “Somos testemunhas”, “O Senhor nos dê a sua bênção” entre outros…
Musiche di JOAQUIM DOS SANTOS
Direttore MASSIMO SCAPIN
CONCERTO SINFONICO NELLA CHIESA DI S. ANTONIO DEI PORTOGHESI


O texto, bem ao jeito do Bispo D. Joaquim Gonçalves, é o seguinte…
Senti encantos grandes pelo Marão/ Gigante enorme, rijo e concentrado, A olhar enternecido a Senhora/ Que vive só, num monte, mais ao lado.
Valente é ele e veste fato branco/ Até de inverno, muito bem talhado, E guarda sempre um pouco desse linho/ Para ofertar à noiva em seu noivado.
Ela é mais fina, bela e graciosa/ E sempre jovem, cheia de carinho/ Tem um solar aqui, em Trás-os-Montes, Com a varanda aberta para o Minho.
Sonharam já os anjos do Marão/ Levar p’ra ali a noiva idolatrada: Tornava-se ele um trono coroado/ E a nossa terra toda engraçada.
Sorriu bondosa a noiva àquele sonho/ De vir morar em trono ‘inda mais belo. Mas ela, que é fidalga deste vale, Prefere ter no vale o seu castelo.
Por isso, em cada Inverno, jubiloso, Como em noivado o rei para a rainha, Irá o Marão levar um manto branco/ À sua Noiva do Monte Farinha.
À Senhora da Graça, no cinquentenário das peregrinações regionais. Bispo D. Joaquim Gonçalves, 1995.
ver na Agenda IPSAR

domingo, 29 de novembro de 2009

Advento… | Povos que caminhais | NRMS 64

Com o último fim de semana de Novembro chega o Primeiro Domingo do Tempo de Advento. Para aqueles que visitam este blog e têm responsabilidades musicais na liturgia, aqui fica uma sugestão de cânticos que podem ser utilizados nos próximos Domingos do Advento. Não será necessário dizer que todos são da autoria do Pe. Dr. Joaquim dos Santos…

Para quem visita este blog e não têm nada a ver com a música litúrgica ou então não professa qualquer Credo… aqui fica uma peça do repertório sacro português que apela, com certeza, a uma meditação pessoal…

Povos que caminhais | 4 v.m e órgão | NRMS 64 | 1992

Desnecessário dizer mas… Tenho especial adoração por tal pérola perdida no meio milhares de composições portuguesas destinadas à liturgia…

Outros cânticos do Pe. Joaquim dos Santos para o Advento:

Abri os corações NRMS 35 | Aclamai o Senhor, terra inteira NRMS 48 | Aclamai o Senhor, terra inteira NRMS 98 | Desça o orvalho NRMS 15 | Eis o dia que o Senhor fez NRMS 17 | Exulta, ó Filha de Sião NRMS 68 | Exultemos de alegria no Senhor NRMS 56 | Na terra se fez carne NRMS 31 | Nós temos em Sião NRMS 42 | Sem pecado concebida NRMS 118

Há mais publicados na NRMS!

Não posso esquecer de fazer uma enorme referencia e vénia ao grupo vocal Ançã-ble que, ao longo de vários anos, tem apresentado em público muitas obras do nosso Maestro e tem feito estas gravações, às quais chamo com muito respeito, caseiras e que nos permitem ter uma ideia imediata desta música que encerra em si muitas surpresas…

Outras gravações Ançã-ble:

Senhor Jesus Cristo | Nasceu o sol da Páscoa | Confesso o meu pecado (Quaresma) | Um dia Sagrado (Natal) | Largada | Tormenta | Rapsódia Campestre | Canção de Embalar (Zeca Afonso)

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Pedidos de obras…

Como foi anteriormente dito, pedidos de obras ou informações acerca do Pe. Dr. Joaquim dos Santos apenas através do e-mail vinculado a este blog: casadacasinha@gmail.com (referenciado na coluna do lado direito do blog).

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Hino da Senhora dos Milagres…

Das várias pesquisas que vou fazendo pela internet, vou descobrindo alguma informação com referências a trabalhos do nosso Maestro… Aqui fica outro:

O Santuário da Senhora dos Milagres, na freguesia de Cambeses, no concelho de Monção, viveu ontem uma jornada de fé e cultura com a realização do “Encontro Mariano”, um dos momentos que assinalam o IV centenário da sua fundação.

Mais de 120 pessoas dos grupos corais de Monção-Pinheiros, Moreira, Pias e Milagres-Mazedo, de pontos diferentes da freguesia dirigiram-se a cantar os “Romeiros da Senhora dos Milagres” para o Santuário onde, em apoteose, acompanhados por um grupo de metais interpretaram em primeira audição o novo “Hino da senhora dos Milagres”, com letra do padre João Porto Soares e música do bracarense padre Joaquim dos Santos. Esta música, disse Joaquim dos Santos, «não é para receber palmas mas para rezar» quer quem a executa, quer quem a ouve. Nascida de uma linda poesia, aquele «canto popular religioso», como o classificou o seu autor, pretende ser expressão da «simplicidade, da candura da fé, simples mas com verdade, sem artifícios que saibam a falso». No acolhimento aos romeiros e peregrinos, o padre José da Silva Lima sublinhou que foi a mensagem dos antepassados e a voz da história e memória de mais de 400 anos que ali os trouxe assinalando que este fazer memória é que abre ao futuro. Recordando a situação que desencadeou o milagre que está na origem da construção do santuário (“Leva o menino à Senhora da Ermida”), Silva Lima disse que a própria romaria cura trazendo um novo «equilíbrio natural», obrigando-nos à «fuga da rotina» trazendo-nos «o equilíbrio da novidade», da mensagem nova e no encontro da comunidade. Entrados no templo, iniciou-se a celebração Eucarística, o alimento necessário para que seja real «o fruto novo do amor» continuou Silva Lima ao falar dos “Caminhos do amor Materno”. Percorrendo diversos momentos da história daquele templo e do milagre que lhe deu origem, José da Silva Lima desafiou os fiéis participantes a deixarem-se tocar pelo Espírito a fim de na partida «sermos capazes de falar de uma forma nova de Deus aos homens de hoje», recordando a primeira expressão da criança que foi curada e que exclamou: “Ó mãe, eu já posso falar”. Durante a sua intervenção aquele sacerdote que dirige o Centro Regional de Braga da Universidade Católica disse que quando pensamos em Nossa senhora dos Milagres estamos a espera de ver «coisas grandes» contudo, advertiu, os verdadeiros milagres estão no quotidiano da vida, no casal quando marido e esposa se perdoam mutuamente ou quando face a uma gravidez inesperada se toma a decisão de a levar até ao final. Assinalou ainda que «a fórmula mais bonita e adequada» para “definir” é afirmar que «é amor». Por isso, «o que fazemos de belo, bom, bonito e verdadeiro é um sinal autêntico do amor de Deus». No final da celebração foi apresentado o livro “Santuário da Senhora dos Milagres” da autoria de Ernesto Português onde, em menos de cem páginas, se conta a história, contexto e significado daquele santuário. O livro já integra o novo hino à Senhora dos Milagres, partitura e poema.

Texto, Paulo Gomes
Publicado a 26-05-2003

In Diário do Minho

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Fantasia Conventual de novo em concerto…

Amanhã, às 18h, no Mosteiro de Tibães será “reposta” a Fantasia Conventual

Uma obra que nunca ouvi, nem terei o privilégio de a ouvir ao vivo neste sábado… mas se tudo correr bem, uma gravação “caseira” está a ser providenciada…

Entretanto tive vontade de olhar para a partitura com um olhar diferente e deste olhar resultou uma leitura transversal que aponta mais características do plano formal e da orquestração do que do plano harmónico e temático. Este último necessita de muita mais dedicação da minha parte!

A Fantasia Conventual é uma obra constituída por duas secções predominantes – 1. Prelúdio e 2. Meditação - sendo a última dominada pelos temas gregorianos "Parce Domine" e "Rorate Caeli", que aqui são explorados e contrapostas com um novo elemento temático que, por sua vez, é apresentado sob a forma de um expressivo e marcante Coral.

A primeira secção do Prelúdio - Poco andante e grazioso - é dominada pelos timbres das madeiras que pontualmente se vêem projectados pelos sforzzato nos metais. O papel da percussão é praticamente transversal a toda esta primeira secção. A sua maior evidência é alcançada em Meno Mosso ed espressivo que figura no centro deste Prelúdio e é aqui que, pela primeira vez, se ouve um tutti orquestral do qual ressalta uma pequena secção dedicada em exclusivo a estes instrumentos até agora utilizados como pontos de apoio a ideias que vão fervilhando na partitura. Passado este momento, os fagotes assumem uma importância quase "solística" e jogam em imitação uma melodia que é sublinhada por um espressivo cantabile. Este jogo é interrompido bruscamente pelas trompas e trompetes mas daqui surge um elemento novo… O que anteriormente se verificava apenas nos fagotes é agora partilhado pelas flautas que por sua vez apresentam novo material temático e expõem-no como já acontecera aos fagotes no espressivo cantabile. Caminhando para o final da primeira parte, verifica-se um crescendo orquestral, e não apenas dinâmico, feito pelos metais culminando todos num apressado forte conclusivo! Todo este Prelúdio está marcado por dinâmicas forte. A segunda parte da obra é a Meditação e esta contrasta com a primeira logo nas dinâmicas. Se no Prelúdio o âmbito das dinâmicas aborda sonoridades mais fortes, a Meditação entra a contrariar com o pianíssimo dos tímpanos na primeira dezena de compassos. Por contraste, a orquestração da Meditação é mais densa mas esta densidade é contrabalançada pelas dinâmicas suaves. Há um todo que caminha gradualmente, ora nas madeiras, ora apresentado temas nos trombones, até que se chega realmente à primeira apresentação do Coral. Este apenas é tocado pelos metais. Logo de seguida “Parce Domine” entoado pelas madeiras e um coro (ad libitum) fazem o Mosteiro Beneditino abater 200 anos e é aqui que se dá um encontro com as reais funções do Mosteiro e as reais funções da música gregoriana/música sacra. De novo rompe o majestoso Coral, apenas entoado pelos poderosos instrumentos de metal. “Rorate Caeli” surge logo depois, em comunhão com o primeiro e transportando-nos para um Coral revestido de novas texturas orquestrais que por fim encerram a partitura com o único forte escrito desta secção meditativa.

Naturalmente, só ouvindo é que se pode entender mesmo o que a música quer transmitir…por mais análises que se façam, apenas a audição é o objectivo.

Complexo instrumental: 2 flautas, 2 oboés, 2 clarinetes, 2 fagotes; 2 trompas; 2 trompetes; 2 trombones; tímpanos; prato suspenso! Coro vozes iguais ad libitum

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Cappella Bracarensis | para ouvir…

Como foi aqui publicado, na sexta-feira passada o grupo vocal Cappella Bracarensis realizou um concerto na Sala do Capítulo do Mosteiro de Tibães. Entre outras peças, cantou algumas do catálogo Joaquim dos Santos…

Aqui fica a referência…

Canção de Embalar – Zeca Afonso/Joaquim dos Santos

Colecção “Seis canções de Zeca Afonso” para coro a 4 vozes mistas.

Neste blog está disponível outra interpretação desta canção; Grupo Vocal Ançã-ble. ouvir aqui

 

 

Menino do Bairro Negro – Zeca Afonso/Joaquim dos Santos

 

Colecção “Seis canções de Zeca Afonso”Esta é a primeira gravação disponibilizada no youtube!

(outra interpretação aqui)

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Concerto | Mosteiro de Tibães (2)

Âmbito do Ciclo de Concertos Joaquim dos Santos In Memoriam (ver)
Dia 21 de Novembro de 2009 às 18.00h
Igreja do Mosteiro de S. Martinho de Tibães

Entrada Livre

Coro e Orquestra Académica do Instituto de Letras e Ciências Humanas da Universidade do Minho
Programa.
Joaquim dos Santos Fantasia Conventual para orquestra de sopros e voz (ad libitum)
J. Haydn
Concerto para trompete
e orquestra
Te Deum para coro e orquestra

Vítor Matos direcção
Vasco de Faria trompete


APOIOS Junta de Freguesia de Mire de Tibães
Mosteiro de Tibães
Ministério da Cultura Mosteiro de Tibães Fundação Bonfim

Organização Universidade do Minho
Instituto de Letras e Ciências Humanas
Departamento de Música
Universidade do Minho

Projecto Financiado
Direcção Geral das Artes | Ministério da Cultura

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Concerto no Mosteiro de Tibães (1)

Sala do Capítulo - Programa musical
Dia 13, sexta-feira, às 21h30.
Concerto pela Cappella Bracarensis 

Local: Sala do Capítulo do Mosteiro de São Martinho de Tibães 

Acesso: Entrada Livre 
 
Actuarão ainda de forma intercalada dois grupos de cordas (guitarra e violino) por Alunos do Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga.

Programa:
  • La, la, la je ne l’ose dire – Pierre Certon (séc. XVI)
  • Margot labourez les vignes – Jacques Arcadelt (1507?-1568)
  • Mille regretes – Josquin Desprez (1445-1521)
  • Ay flores – D. Dinis (1261-1325)/Miguel Carneiro  
  • El grillo – Josquin Desprez
  • Il est bel et bon – Pierre Passereau (séc. XVI)
  • Os olhos da Marianita – harm. Jacques Chailley (1910-1999)
  • Tajapanema – melodia brasileira/Manuel Faria (1916-1983)
  • Menino do Bairro NegroZ.Afonso/Joaquim dos Santos
  • Canção de EmbalarZ.Afonso/Joaquim dos Santos
  • Mar (Miguel Torga) – Joaquim dos Santos (da mesma colecção: para ouvir no blog TORMENTA & LARGADA)
  • Suite para instrumento solo (Mário Garcia) - Joaquim dos Santos
Cappella Bracarensis
Fundada em 1997, como octeto vocal, a Cappella Bracarensis surgiu da vontade de fazer música coral pelo prazer de cantar e pela tarefa de divulgar música de todas as épocas, com especial incidência na música portuguesa. Construiu um vasto repertório, que apresentou em numerosos concertos, no país e no estrangeiro.
Entretanto, interrompeu as suas actividades entre 2000 e 2002. Ressurgiu em Outubro de 2002, de forma mais alargada como coro de câmara, reunindo a maioria dos seus membros fundadores e outros elementos que, entretanto, foram aderindo ao mesmo projecto. Já se apresentou em vários concertos, mantendo contudo os objectivos que animaram a sua fundação. Realizou já diversos concertos de música sacra e profana em Braga e noutras localidades do norte do país.
O reportório que vai apresentando revela especial incidência na música portuguesa, com preferência por música inédita de compositores do distrito de Braga, em que sobressaem Manuel Faria e Joaquim dos Santos.
No seu actual estado, a Cappella Bracarensis encontra-se estreitamente ligada ao Centro Regional de Braga Universidade Católica Portuguesa, que disponibiliza local de ensaio e fornece apoio logístico ao grupo. João Duque é seu director artístico desde o início, tendo-se-lhe associado, desde 2008, Graça Miranda.
Cappella Bracarensis
Fontes: Blog: Mosteiro de Tibães | Blog: Cappella Bracarensis

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Encomendação das Almas: “Acorda, acorda Pecador”

Como não podia deixar de ser, o mês de Novembro é marcado pela forte celebração dos fiéis defuntos. Celebração que, de uma forma ou de outra, marca toda a gente, crente ou não crente; porque se uns acreditam que a morte é apenas o fim da vida e que depois desta nada acontecerá, outros olham para a morte como uma verdadeira passagem, ainda que dolorosa para quem fica a ver os que passam… mas todos sofrem quando se tem de viver a morte de uma pessoa querida e amada.

Acorda, acorda pecador é uma canção recolhida em Trás-os-Montes pelo Pe. Joaquim Albertino da Costa e posteriormente transcrita e harmonizada pelo Pe. Dr. Joaquim dos Santos.


Acorda, Acorda pecador
Emenda-te do pecado
Que podes adormecer
No inferno sepultado.
Seja pelo amor de Deus.

Ó almas que estais dormindo
Porque é que não rezais?
Lembrai-vos que já lá tendes
Vossas mães e vossos pais.
Seja pelo amor de Deus.

As almas do purgatório
Umas choram, outras cantam.
Rezai-lhe uma Avé Maria
Pelo eterno descanso.
Seja pelo amor de Deus.

Arranjo para 3 vozes mistas que encerra em si a força de muitas outras vozes que, numa visão mais metafísica, já não cantam nesta vida. Só ouvindo e cantando é que se entende como o Maestro Joaquim dos Santos foi um grande mestre no tratamento da voz. Composição de extrema simplicidade que, no seu conjunto, é  de uma grandiosidade arrebatadora.

Interpretação do Coral de Chaves e Coro Capela das Almas de Cerva sob direcção de Nuno Costa. A introduzir tão belo canto popular ao som da trompa esteve Cláudio Moreira. Gravado ao vivo no dia 11 de Julho de 2009 – Mosteiro de São Miguel de Refojos, Cabeceiras de Basto. Concerto de Homenagem a Joaquim dos Santos.

Artigos relacionados:

Canção Popular de Encomendação das Almas: “Pecador Adormecido” – Novembro de 2008 (partitura)

Concerto de Homenagem a Joaquim dos Santos - 11 de Julho de 2009 (artigo)

Concerto de Homenagem a Joaquim dos Santos – 11 de Julho de 2009 – Mosteiro de São Miguel, Cabeceiras de Basto (para ouvir música)

Tem sido norma, neste blog, publicar canções de encomendações das almas associando estas sempre ao período de Novembro que coincide com o dia de Todos os Santos e de Fiéis Defuntos. Estas canções poderão facilmente ser associadas a estes dias mas o seu fundamento encontra-se no período da Quaresma. Estas canções eram entoadas ao final da tarde, provavelmente durante as trindades, dos dias que compõe a Quaresma e não propriamente do dia de fiéis defuntos…mas como já disse, a temática de tais canções justifica na perfeição estas publicações.

domingo, 25 de outubro de 2009

“Sinfonia” das práticas musicais… de Beethoven a J. Santos

Há algum tempo elaborei um trabalho que procurava utilizar uma técnica muito em voga na música electrónica e não só, naturalmente! Colagens…

Não tendo eu as competências, inimagináveis, de um Luciano Berio que, na sua Sinfonia, mostra o quão brilhante e genial é no domínio e manuseamento de material musical de outros compositores, o que apresento hoje é fruto de algumas horas passadas a seleccionar e a programar material base para, finalmente, poder proceder à sua colagem e montagem no software apropriado…

Tudo não passa de um exercício de estudante mas todo o trabalho deu imenso prazer… Ainda mais porque convivem na mesma “partitura” compositores que muito me dizem… Beethoven, Joaquim dos Santos… Wagner, Schumann, Ravel e Stravinsky! 

Trabalho realizado por Nuno Costa no âmbito da unidade curricular Práticas Musicais Contemporâneas I, 2008-2009. ESMAE

Fica aqui registada a “ousadia”…

 

Para ajudar a decifrar a mistura de obras, aqui fica o catálogo das que foram utilizadas!

Wagner: Tristan und Isolde, Erster Aufzug, Einleitung | Joaquim dos Santos: Sinfonia “Roma Eterna” | Stravinsky: Le Sacre du Printemps, Les augures printaniers danses des adolescentes | Beethoven: Sonata op. 27, n.º 2 | Schumann: Concerto para piano, op. 54 | Ravel: La Valse

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Encerramento da Exposição em Cabeceiras de Basto

Pormenor da Exposição...Na passa da sexta-feira terminou mais uma actividade dedicada ao nosso Maestro. Quero pensar que esta exposição marcou alguma diferença no quotidiano da vila de Cabeceiras de Basto…ainda que possa ter sido pequena, ou não!

Como sempre, ficamos a aguardar pelos próximos desenvolvimentos à volta da vida e obra do Padre Compositor Joaquim Gonçalves dos Santos…

Aqui ficam algumas fotografias da Exposição organizada pela UMinho, Emunibasto, Município de Cabeceiras de Basto e um conjunto de pessoas dedicadas…

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Scherzetto, 2 clarinetes | para ouvir…

Mais uma obra do nosso Maestro que está disponível para audição aqui no blog e no youtube.
Scherzetto para 2 clarinetes é uma pequenina obra dividida em três partes. O cânone e a imitação são as técnicas recorrentes. É constante o jogo entre os dois instrumentos que “brincam” durante toda a obra. Uma secção central faz o balanço (adagio) entre as duas extremidades (andante) que por fim, com uma espécie de stretto, apressa-se numa subida que parece disputada pelos intervenientes de um jogo…
Interpretação de Vítor Matos e Domingos Castro.



Gravado ao vivo na Igreja de Santo António dos Portugueses em Roma no dia 21 de Abril de 2004. Ver na Agenda IPSAR
Aos meus caríssimos artistas e amigos – Vítor Matos e Domingos Castro.
…para Roma ou qualquer outro lugar…

sábado, 10 de outubro de 2009

Obras para órgão | Partituras

Joaquim dos Santos na sua mesa de trabalho... Numa das várias pesquisas que vou fazendo pela internet encontrei, já há algum tempo, um site que disponibiliza a partitura de três obras para órgão do Pe. Joaquim dos Santos.

Deixo aqui o link para quem quiser, por curiosidade ou trabalho, fazer uma incursão na obra organística do Maestro.

Joaquim dos Santos, obras disponíveis na internet (fac-simile) clicar em cada título para poder aceder à partitura

www.apao.web.pt

Para a última obra (Preludio ricercare), há uma gravação aqui no blog (interpretação de Giampaolo di Rosa), bem como um artigo dedicado a esta e outras obras escritas pelo Maestro enquanto estudante no Pontifício Instituto de Música Sacra em Roma na década de 60. ver aqui

Prelúdio Ricercare Passacaglia

Uma obra de carácter extremamente introspectivo e meditativo que revela uma grande energia, não necessariamente explosiva mas uma energia enorme que emana de algo que aparentemente não previa tão grande força… opiniões

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Fado…

No dia de hoje foi dada imensa importância ao Fado… Parece que, finalmente, uma parte substancial dos portugueses dá ouvidos a este género musical que tanto de nós, portugueses, diz…

Em boa parte, este (re)lembrar do fado dos últimos dias deve-se ao aniversário de morte da nossa inigualável Amália…

Não me encontro muito documentado para poder fazer um artigo completo mas não quis deixar de utilizar este dia para assinalar que, também, na obra do Maestro Joaquim dos Santos há um lugar dedicado à criação de peças musicais a que nós nos habituamos a ouvir como fados… Não são muitos os fados compostos pelo Maestro mas diria, de cor, que serão uns 10, pedidos por amigos ou por anónimos que se dedicavam ao fado da música…

sábado, 3 de outubro de 2009

Glória da Kenose | Pe. Dr. António Luís Esteves | 1956-2009

A via crucis de Jesus é, para mim, o paradigma das vias crucis da humanidade. Na Sua leio-o a história do homem, na procura incessante da paz, desejo íntimo de cada homem, nos equívocos da história pessoal ou colectiva. O grande código para decifrar o problema do homem continua a ser o mistério do Redentor, por mais que as filosofias pós-modernas se arrendem de referências ou valores. De facto, os princípios foram destronados de uma legitimação transcendental porque se terá abusado duma autoridade extrínseca para os justificar. A verdade é que a morte de Deus anunciou tragicamente a morte do homem, do super-homem, que, na arrogância desmistificante dos mitos de origem ou de destino, se viu tragicamente só diante da responsabilidade do futuro. (…)

Quem vive desta esperança crucificada não é desiludido nas desilusões da história de todos os tempos, porque a morte venceu a vida, o amor é mais forte que a morte, a vitória acontece no fracasso da Sexta-Feria Santa. O silêncio lúgubre do Sábado santo é senão o anúncio inesperado do Aleluia divino, dom gratuito do Amor.

Pe. Dr. António Luís Esteves - “Glória da Kenose, via sacra dos Artistas”

Pe. Dr. Luís Esteves em Santo António dos Portugueses_2007

Perdemos um gigantesco pensador… também ele um enorme admirador da obra e pessoa que foi Joaquim dos Santos…

A sua obra, de escritos profundos e meditativos ainda está longe de ser conhecida; e como acontece grande parte das vezes… apenas a morte trás o reconhecimento… que triste. 

Aqui deixo os links de várias críticas publicadas no Diário do Minho, relativas ao Dr. Joaquim dos Santos. Dois amigos que se reencontram na glória prometida…

Obras de J. Santos em concerto Pascal

A música ao serviço do diálogo inter-religioso

Entrevista com o compositor ou… uma confissão humilde... 

Uma homenagem simples mas sentida, prestada por quem admirava a sua eloquência das palavras… Com este cântico termino a minha oração em sua memória…

Ordenado presbítero em 1981, o Pe. Luís Esteves começou por estagiar no jornal “Diário do Minho” nos anos de 1980-1981. Posteriormente, em 1985, prosseguiu os seus estudos, tendo sido enviado a frequentar o Instituto Bíblico de Roma. Após o seu regresso, em 1989, integrou o Corpo Docente da Faculdade de Teologia em Braga e foi nomeado Vigário Paroquial temporário de Lago, Amares. No ano 2000 foi nomeado representante do Secretariado do Ecumenismo e Diálogo Inter-Religioso. O funeral terá lugar amanhã (hoje dia 3), após Missa Exequial, celebrada às 15h30 no Mosteiro de Tibães, a que preside D. António Couto. O corpo do Pe. Luís Esteves estará ainda em câmara ardente a partir das 10h da manhã, no mesmo Mosteiro de Tibães. ver em Presspoint

Pe. Joaquim dos Santos e Pe. Luís Esteves

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Em Concerto…

Hoje, realiza-se mais um concerto onde figuram obras do Pe. Dr. Joaquim dos Santos.

Gostaria de fazer sempre alguma referência a concertos ou outros eventos onde se executam obras do Maestro mas se não for informado, ou descobrir por acaso numa qualquer pesquisa que faça, dificilmente se poderá adivinhar e divulgar aqui na página dedicada ao Dr. Santos…

Centro Cultural de Chaves | 21h30 | Entrada Livre

Coral de Chaves com obras de Joaquim dos Santos, Fernando Lapa e mais compositores portugueses.

PROGRAMA

  • Emma - Franz Schubert (canto e piano)
  • O meu menino é d’oiro – Zeca Afonso/Joaquim dos Santos
  • Menino do bairro negro – Zeca Afonso/Joaquim dos Santos
  • Canção de embalar – Zeca Afonso/Joaquim dos Santos
  • Cantar d’amigo – Cláudio Carneyro (canto e piano)
  • Instante – Joaquim dos Santos (canto e piano) ESTREIA
  • A Largada – Joaquim dos Santos
  • Responso – Fernando Lapa
  • Ailitla – Fernando Lapa
  • Discurso – Fernando Lapa
  • Gretchen am Spinnrade – Franz Schubert (canto e piano)
  • Amazing grace – espiritual negro/Fernando Lapa
  • Tomara eu que viesse – Pedro M. Santos (popular)
  • Espadeladas – Joaquim dos Santos (popular)
  • Ó minha mãe venha “vere” – Fernando Lapa (popular)
  • O milho da nossa terra – Fernando Lopes-Graça (popular)

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Torre della Scimmia | Clarinete Solo | Estórias…

Torre della Scimmia - em cima, do lado direito encontra-se a imagem de N. Senhora.

Na semana passada esteve em evidência a obra “Torre della Scimmia” para clarinete solo, dedicada ao clarinetista Vítor de Matos. Quando houver possibilidade, uma gravação será disponibilizada neste site mas entretanto fica aqui uma explicação do nome da obra… Ouvida por mim algumas vezes na Casa da Casinha e mesmo em frente à torre…da boca do Dr. Joaquim dos Santos. Aqui fica…

Torre della Scimmia (torre da macaca) é um edifício medieval que se encontra no centro histórico de Roma, junto à Igreja de Santo António dos Portugueses, na via dei Portoghesi.

Segundo o conto popular romano consta que nessa torre vivia uma família abastada que tinha uma filha pequenina e um animal de estimação muito particular…uma macaca.

Um dia, a mãe saiu de casa (da torre que ainda hoje é habitável) para fazer as suas compras, deixando em casa a pequena filha com a macaca, que era um animal amigável. Quando voltava dos seus afazeres viu que no alto da torre estava a macaca com a sua criança ao colo... Invadida pelo tremendo medo de ver a macaca deixar cair a menina do alto da torre, ali mesmo, promete e reza à Mãe de Deus – se conseguir que a sua filha fique a salvo erguerá uma estátua em sua honra e acenderá, para todo o sempre, uma vela em louvor pela ajuda agora pedida. Assim aconteceu, a macaca não deixou cair a menina, ficando esta a salvo e, em louvor deste acontecimento, foi erguida a estátua onde, todos os dias e noites, uma luz acesa ficou.

A promessa ainda hoje é respeitada e todos os dias e noites há uma luz junto à estatua de Nossa Senhora no cimo da torre que ficou com o nome do animal doméstico…macaca “Scimmia”.

Torre della Scimmia - com a luz da antiga promessa ainda acesa.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Música Litúrgica em Concerto

Hoje, o Coro Capela das Almas apresenta-se em concerto na Vila de Mondim de Basto, Capela do Senhor (no centro da Vila, junto da Santa Casa da Misericórdia) pelas 21h30.

O repertório compreende a música litúrgica/sacra do século XX português com especial incidência na obra do Pe. Joaquim dos Santos.

Constam do programa as seguintes obras:

  • Eu vim para que tenham vida – Fernandes da Silva
  • Eu vi a cidade santa – Ferreira dos Santos
  • Somos testemunhas – Joaquim dos Santos
  • Confesso o meu pecado – Joaquim dos Santos
  • Parce Domine – Joaquim dos Santos
  • Banquete Sagrado – Fernandes da Silva
  • Senhor Jesus Cristo – Joaquim dos Santos
  • Nasceu o sol da Páscoa – Joaquim dos Santos
  • Salve, Mãe Imaculada – Pop. alemão/Nuno Costa
  • Ave Maria – Mário Sousa Santos
  • Senhora, nós vos louvamos – Manuel Faria
  • Hino Jubilar da Diocese de Vila Real – Joaquim dos Santos
  • Encore: Acorda, acorda pecador – Joaquim dos Santos, recolha e harmonia da canção popular

Todas as peças são para coro a 3 ou 4 vozes mistas com ou sem órgão…

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Recital no Instituto Franco-Português

Vítor Matos

Foi ontem às 19h. Vítor Hugo Matos e Ângelo Martingo apresentaram-se em Lisboa com um programa bem variado e, nas palavras do locutor da Antena 2, “nada habitual nas salas de concerto”…isto por causa da música contemporânea… Não há problema porque, pela resposta do público, pareceu-me que a parte nada habitual constituiu um sucesso.

Estão de parabéns o clarinetista Vítor Hugo Matos e o pianista Ângelo Martingo.

Incontornavelmente, aquele momento em que se anuncia a obra Torre della Scimmia, commento musicale da un racconto romano do Ângelo MartingoMaestro Padre Joaquim dos Santos foi de sensações muito fortes que não têm qualquer descrição. Logo de seguida é executada a obra e, igualmente, faltam as palavras para tudo o que envolveu tais momentos.

A execução de altíssima qualidade mostrou-nos uma obra coesa, de maturidade, de uma força simultaneamente lírica e delicada, agreste e instável. Os contrastes dinâmicos entre o mais piano de todos até ao fortíssimo descrevem muito bem as aflições e alegrias que se vivem no conto romano…

Em conversa com um amigo fica algo:

“É o topo da carreira quanto à divulgação e qualidade de execução”…

Instituto Franco Português, site

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Exposição Biográfica | Casa da Cultura de Cabeceiras de Basto

Casa da Cultura, Cabeceiras de BastoA partir de hoje e até ao dia 16 de Outubro, não perca a Exposição sobre a vida e obra do Dr. Joaquim dos Santos. Uma Exposição que aborda, de forma sucinta mas clara, várias passagens da vida e obra do nosso Maestro.

O espaço que acolhe esta iniciativa da Universidade do Minho, em conjunto com o Município de Cabeceiras de Basto e a empresa municipal Emunibasto, enaltece de forma particular o trabalho exposto. Apenas uma visita poderá justificar tais palavras. Uma exposição em total harmonia com o espaço que a acolhe.

Deixo aqui algumas fotos que poderão dar ideia da beleza deste trabalho realizado por alguns alunos da Licenciatura em Música da Universidade do Minho mas apenas uma visita, com a leitura do respectivo guia e dos textos que acompanham cada vitrina, pode elucidar e mostrar a real dimensão de uma grande Exposição…não fisicamente mas em conteúdo.

Que todos os cabeceirenses aproveitem esta oportunidade única de visitar um dos homens mais ilustres da sua terra mas também um homem gigante da Música Sacra em Portugal…muito particular na sua forma de expressão artística. Vamos ver…

Cabeceiras de Basto, site

Universidade do Minho, site

 

EMUNIBASTO

 

 

Agradecimento à Sra. D. Maria Gonçalves dos Santos; a Nuno Costa; à Banda Cabeceirense; ao Instituto Português de Santo António em Roma.

A todos que se empenharam afincadamente para que esta Exposição estivesse pronta a horas!

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Exposição Biográfica em Cabeceiras de Basto

Exposição Joaquim dos SantosAmanhã, dia 16 de Setembro é inaugurada uma nova Exposição Biográfica sobre o Compositor e Maestro, Padre Dr. Joaquim Gonçalves dos Santos.

Na Casa da Cultura, na principal praça de Cabeceiras de Basto, está patente até ao dia 16 de Outubro mais esta Exposição onde poderá visitar um pouco da vida e obra deste insigne compositor.

A organização está a cargo da Universidade do Minho que, anteriormente, promoveu em Braga esta actividade.

Espera-se que o público de Cabeceiras de Basto possa tomar parte nesta iniciativa e visite a vida e obra do Dr. Santos, agora tão perto da atarefada rotina das pessoas que passam à porta da Casa da Cultura…

Dado este novo facto de mais uma vez a Exposição Biográfica Joaquim dos Santos estar aberta ao público retarda-se a publicação da Exposição digital aqui do blog.

Ver um pouco da Exposição (hiperligação)

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Recital no Instituto Franco-Português | Transmissão directa na Antena 2

Antena 2 RECITAL DE CLARINETE E PIANO
16 SET Instituto Franco-Português 19h

Vítor Hugo Matos clarinete
Ângelo Martingo piano


J. Brahms Sonata Nº2 em mi bemol maior, Op.120
C. Debussy Première Rhapsodie
O. Messiaen Abîme des Oiseaux, para clarinete solo
L. Berio Cinque Variazioni
Joaquim dos Santos
Torre della Scimmia, para clarinete solo
B. Kovács Sholem-alekhem, rov Feidman

Entrada livre Co-Produção: Antena 2 / IFP
Concerto com transmissão directa na Antena 2 às 19h de Quarta-Feira.

Vítor Matos, clarinete Ângelo Martingo, piano

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Centro Escolar de Cabeceiras de Basto | Pe. Dr. Joaquim dos Santos (2)

Como já havia sido feita referência neste blog, o novo centro escolar de Cabeceiras de Basto terá o nome do Maestro Joaquim dos Santos. Assim ficou deliberado na reunião de executivo do dia 9 de Julho. Ver artigo completo

O vídeo que se segue faz parte das campanhas eleitorais do Partido Socialista que governa em Cabeceiras de Basto e o País. Pois bem, da parte deste blog apenas interessa a referência que é feita ao nome do novo centro escolar de Cabeceiras de Basto. Aqui fica um novo artigo referente ao centro escolar Pe. Dr Joaquim Santos…

57 segundos chegam à informação que se pretende aqui divulgar. Todo o resto…é outra política.

Ouçam a música do Pe. dr. Joaquim dos Santos aqui.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Celebrações litúrgicas em memória do Pe. Joaquim dos Santos (2)

A disponibilidade não permitiu tratar deste artigo mais cedo, porém aqui está…

Como devem saber, durante os meses de Junho e Julho, a paróquia de São Miguel de Refojos (Cabeceiras de Basto) acolheu, em três Missas, três diferentes Coros que sustentaram a mesma com cânticos da autoria do Pe. Joaquim dos Santos, em forma de homenagem na passagem do primeiro aniversário da sua morte.

Todas as celebrações tiveram um registo áudio da autoria do Professor Paulo de Almeida. Divulga-se, agora, um pouco deste documento, escrito por gentes que dedicam o seu tempo livre ao canto coral.

Powered by eSnips.com

O primeiro Grupo a tomar parte nas celebrações no dia 14 de Junho, Domingo foi o Grupo Coral de Antíme sob direcção de Aníbal Marinho. Às 11h no Mosteiro de São Miguel de Refojos. Reproduz-se, aqui, o cântico de entrada Aclamai o Senhor.

O segundo Grupo a participar e a sustentar uma celebração em memória do Maestro Joaquim dos Santos foi o Grupo Coral de Joane sob direcção de José Carlos Azevedo – dia 28 de Junho, Domingo à mesma hora. Reproduz-se o Acto Penitencial – KYRIE.

Por fim, já fora do mês de Junho mas em comunhão com todas as actividade litúrgicas, o Coral de Chaves sob direcção de Nuno Costa no dia 11 de Julho, Sábado às 18h animou a celebração eucarística em memória do Padre Joaquim dos Santos. É reproduzido o Salmo Responsorial – Lembrai-vos, Senhor.

Na noite do dia 11 de Julho teve lugar o concerto de homenagem que já mereceu vários artigos neste blog e onde é possível ouvir alguns dos momentos do concerto protagonizado pelo Coral de Chaves, Grupo Capela das Almas (Cerva), Cláudio Moreira e Tiago Ferreira sob a direcção de Nuno Costa.

para ouvir peças do Concerto_11_07_2009 (hiperligação)

sábado, 5 de setembro de 2009

Cantata Santo António dos Portugueses

(…) Após a estreia de A Noiva do Marão na Igreja de Santo António dos Portugueses em Roma, num ambiente perfumado ainda pelas harmonias e aplausos, um grupo de amigos permanece em agradável conversa quando, inesperadamente, alguém diz: «D. Joaquim, faça um texto sobre Santo António e o meu irmão faz a música». Da sugestão de minha irmã nasce a vida do Santo em verso e desta a música escrita nestas páginas.
Joaquim dos Santos e irmã no dia de estreia da Cantata_08.06.2002
Para barítono solista, coro e orquestra, esta cantata (2001) tem um dos corais, na minha opinião, mais majestosos de todos que eu vou conhecendo neste género de música.
A orquestra serve o texto: apresenta-o, acompanha-o, faz os seus comentários, exalta-o em aplausos, aqui e além de sonoridades imponentes e majestosas.
Servindo o texto, esta Cantata apresenta, na minha perspectiva, passagens com um teor de música quase militar, quero com isto dizer, a música vai ao encontro daquele que supostamente seria o futuro do jovem Fernando, filho de um militar… Gradualmente, este teor “militar” desfaz-se e assistimos ao caminho do nobre e sábio que tem o mundo à sua frente, o lirismo do jovem sonhador que, repentinamente, é tocado pela mensagem dos mártires que chegam de Marrocos. Este é o mote para que o jovem, audaz como um guerreiro, deixe o seu nome e se faça António, pobre e andarilheiro. Com um texto fundamentalmente descritivo assim decorre a Cantata em honra de Santo António dos Portugueses…
Deixo excertos da mesma… Dado ao facto de todos os intérpretes serem de várias nacionalidades, e nenhum português, faz com que o texto seja de percepção dificílima!
Quanto à interpretação, não é, porventura, a que eu mais aprecio, pois a percussão e metais tocam bastantes vezes demasiado forte e os constantes marcatos das cordas e do solista não fazem o meu género de gosto mas a beleza de tal coral é igualmente perceptível… bem como os contrates de escrita musical muito bem interligados entre si.
Powered by eSnips.com
Texto de D. Joaquim Gonçalves, Bispo de Vila Real.
“Em frente à Sé nasceu, na capital,\ E viu no Tejo os barcos a descer.\ É filho de Martinho, um militar,\ Talvez guerreiro um dia venha a ser.
(…)
- Aonde vais, Fernando, aonde vais? (…) – Aonde vais, António, aonde vais?
(…)
MAS É AQUI, EM ROMA, NA CIDADE,\ QUE O SANTO VÊ CUMPRIDO O SEU DESEJO:\ AO PÉ DO PÁPA SENTE A HUMANIDADE,\ E AO PÉ DO TIBRE SONHA COM O TEJO.
(…)
TEM QUATRO OGIVAS ESTA IGREJA LUSA\ E AS QUATRO UNIDAS FORMAM O SEU MISTÉRIO:\ UM ARCO É O DO MARTÍRIO E DA AVENTURA,\ UM OUTRO É O DO SABER E SANTIDADE\ HÁ O ARCO DA MISSÃO EM TODA A TERRA\ E UM ARCO HUMEDECIDO É O DA SAUDADE.”
O conteúdo do texto é maior, aqui apenas é reproduzido o que está cantado no excerto da Cantata de Santo António dos Portugueses.
Edição discográfica do IPSAR. Gravado ao vivo no dia 8 de Junho de 2002. Orchestra Nova Amadeus, coro SAPOR, Ettore Nova (barítono) e Anne Randine Overby (direcção).
Igreja de Santo António dos Portugueses

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Bracara Augusta |Revista

Separata da Revista Bracara Augusta_1984
Em 1984 foi publicado um artigo do Maestro Joaquim dos Santos na Separata da Revista BRACARA AUGUSTA. Um artigo sucinto que contém notas breves sobre história e compositores do século XVI com respectivas referencias musicais.
A musicalidade de Joaquim dos Santos é igualmente visível na escrita…
Desde os mimos e histriões – com sua origem no teatro romano de onde se irradiaram para todo o Império – divertindo o povo e agradando aos reis com seus ditos e habilidades, aos trovadores e jograis – de classe nobre e mesmo real, ou plebeia – vai nascendo um fiozinho de água que através dos séculos, desde a alta à baixa Idade Média, se vai transformando num crescente caudal a desaguar no magnífico estuário do Renascimento.
Não é fácil decifrar-se, no que à música diz respeito, onde começa e onde termina a Idade Média.
De qualquer modo esta não pode ser considerada uma idade de trevas.
O escrito continua com referencias, interessantes, a compositores, portugueses e estrangeiros, bem como a notas históricas sobre a situação musical portuguesa deste período.

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

para ouvir… Fiore de Lino

Já há algum tempo que não se colocava música apenas instrumental na etiqueta para ouvir aqui no blog.

A peça que se segue é baseada no tema popular italiano “Fiore de Lino” que se encontra no livro “Canti della campagna romana” de G. Nataletti e G. Petrassi – Ed. Ricordi, 1930.

Joaquim dos Santos utilizou este tema popular e com ele fez variações para uma formação instrumental deveras peculiar. Duas violas d’arco e três violoncelos… A melodia, só por si, é de facto belíssima, é uma boa melodia; mas o trabalho realizado pelo Doutor Santos é igualmente de alto nível e evidencia ainda mais a linha melódica original.

Este trabalho tem data de 30 de Setembro de 2003 e foi realizado a pensar no Quintetto Musikalia que se apresentou na Igreja de Santo António dos Portugueses no dia 20 de Maio de 2004.

Luca Turrisi viola I
Rita Turrisi viola II
Antonio Loporchio violoncelo I
Guido Mascellini violoncelo II
Anna Maria Mastromatteo violoncelo III

Como aconteceu em vários momentos da obra de Joaquim dos Santos, esta peça conheceu uma outra versão; esta para coro a 4 vozes mistas. Tem escrito no final da partitura: Primavera de 1979. Pelo que pude observar, a versão instrumental baseia-se amplamente nesta primeira versão vocal.

Nenhuma das partituras está publicada.

Gravado ao vivo no dia 20 de Maio de 2004 na Igreja de Santo António dos Portugueses em Roma. Registo e edição de som da responsabilidade de Antonio Cenciarelli. Edição do Instituto Português de Santo António em Roma (IPSAR)

Ver na Agenda Cultural IPSAR (Instituto Português de Santo António em Roma)