sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

...à descoberta de Joaquim dos Santos...(III)

Torna-se muito satisfatório poder dar continuidade a mais um "à descoberta de..."! Não é nenhuma saga cinematográfica...é algo de outro mundo, o mundo musical, o mundo de Joaquim dos Santos.
Paula Ferreira, aluna do curso de música antiga da ESMAE na classe de canto apresentou um belo trabalho sobre A Canção Popular em Joaquim dos Santos. Abordou, essencialmente, a temática do "linho", apresentando em anexo duas canções gravadas com o seu singelo coro de pessoas dedicadas, nas quais, um dos objectivos de vida musical do nosso Maestro com certeza se terá realizado...qualificar a vida dos mais simples com boa música, fazendo arranjos tão naturais como alguns dos seus destinatários.
Um bem-haja para esta aluna que descobriu e trabalhou sobre a obra do nosso Maestro...

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

...à descoberta de Joaquim dos Santos...(II)


Como foi anteriormente anunciado, dois alunos do ensino superior apresentaram trabalhos cujo tema abordado foi a obra de Joaquim dos Santos. No caso específico de José António Machado, aluno da U.Católica do Porto - Escola das Artes - Licenciatura em Música Sacra, o trabalho aí está. "Joaquim Santos - Abordagem Geral à Vida e Obra". A sua pesquisa incidiu nas obras corais sinfónicas "Passio et mors Domini Nostri Jesu Christi secundum Lucam" e o Oratório "Travessia".
Trabalho breve mas com informação interessante. Do mesmo transcreve-se o último parágrafo da conclusão... "Para todos ficará na memória um homem que, sendo grande, se isolou no meio da natureza a fim de dar maior grandeza ao mundo através da sua música. Um homem que sendo grande se fez simples entre os mais simples e que produzia a sua arte apenas pelo gosto de a produzir. Um homem que sempre acolheu todos quantos o visitavam, com o sorriso mais franco e sincero que se pode imaginar."

Um bem-haja ao António José Machado pelo trabalho dedicado à obra do Maestro Joaquim dos Santos.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Joaquim dos Santos | Roma '60

Doutor Joaquim dos Santos no seu local de estudo aquando da sua estadia em Roma na década de 60.
Uma interessante foto...


[foto gentilmente cedida por Maria Gonçalves dos Santos espólio Casa da Casinha]

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Concerto dell'Immacolata | Le forme dello Spirito | Concerto 06.12.2006

Capa - CD200704 IPSARLe forme dello Spirito é o legado de diálogo inter-religioso mais evidente, e de fácil reconhecimento, do Maestro Joaquim dos Santos.
Apenas como curiosidade, meses depois desta obra surgir (em 2005), uma notícia nos grandes meios de comunicação social anunciava que um compositor estrangeiro tinha composto uma obra que incluía textos das várias religiões inclusive, e era esta que na altura estava a fazer o "furor" da notícia, a Islâmica...pois por esta altura surgiu mais um desentendimento entre Ocidente e Médio Oriente...
Este à parte não tem nada de importante a não ser o quão desconhecemos o que se faz em Portugal.

Le forme dello Spirito é para Tenor solo, Coro a vozes iguais e Orquestra. Foi estreada em Roma pelo tenor italiano Massimiliano Drapello, com o Coro Feminino de Santo António e o maestro Massimo Scapin a dirigir a Orchestra Sinfonica Tiberina.

É uma obra com cerca de 15 minutos dividida em três partes, em três Textos que indicam cada uma das Religiões em questão.

Acerca desta obra, o Maestro Joaquim dos Santos falou numa entrevista para o Diário do Minho (publicada neste blog em Agosto de 2008). Subscrevem-se essas linhas...

Comecemos pelo fim… Recentemente, em Roma, foi apresentada em estreia absoluta mundial a obra Le forme dello Spirito, um projecto de diálogo inter-religioso entre as religiões monoteístas: judaísmo, cristianismo e islamismo. Que significa para si esta obra arrojada e inesperada?
Antes de mais, faço questão em dizer que esta obra nasceu sem eu ter pensado sozinho, no sentido de surgir de um desafio lançado por um tenor italiano meu amigo, insistindo para que eu escrevesse algo para ele cantar. Ficou combinado satisfazer-lhe o pedido. Isto em 12 de Junho de 2003… Nesse mesmo dia, ainda em Roma, comecei a obra, após ter visitado a exposição de Arte Sacra do Sul de Portugal a decorrer em Santo António dos Portugueses, onde me foi oferecido o Catálogo dessa mesma Exposição. Aqui encontrei o texto e o próprio título dessa mesma obra: Le forme dello Spirito… Será mesmo um trabalho arrojado e inesperado? Penso que não, nem quanto ao texto, nem quanto à linguagem musical. A obra articula-se em três partes: a primeira com texto de Isaías, a segunda a partir de um texto de S. Paulo e a terceira com um texto do Corão. Na verdade, o arrojo e o inesperado poderiam estar nesta terceira parte. Mas, após o Concílio Vaticano II, esse mesmo texto, que antes poderia ser polémico, insere-se agora, perfeitamente num projecto de diálogo inter-religioso entre religiões monoteístas. É certo que alguém terá encontrado, inicialmente, problemas na junção destes textos (que na verdade, não foi minha), mas finalmente e de bom grado aceitou trabalhar e dar o máximo brilho às Forme dello Spirito.

Esta obra tem alguma relação com o concerto promovido pela RAI em homenagem ao Papa do diálogo Paulo VI, que esteve presente, e aos Padre Conciliares, realizado em Roma a 12 de Junho de 1966?
Penso que sim, no sentido de poder ter sido hipoteticamente uma obra a inserir no programa desse concerto, a que chamaram ecuménico. Na verdade, lá estavam os ortodoxos com Igor Stravinsky, os protestantes com Sibelius, os judeus com Darius Milhand e os católicos com G.F. Malipiero. Nesse mesmo programa, não destoariam Le Forme dello Spirito, como elemento de um projecto de diálogo inter-religioso entre as religiões monoteístas: judaísmo, cristianismo e islamismo.

Também fazem parte deste CD o Stabat Mater de Luigi Boccherini, Messa dei Pescatori di Vilerville de André Messager/Gabriel Fauré e La fuga in Egitto de Max Bruch.

www.ipsar.org

quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Dia Mundial da Paz | Senhor Jesus Cristo | Música para a Liturgia

Hoje o mundo assinala o dia que nos lembra que ainda falta tanto para conseguirmos alcançar a Paz... Mas com certeza que a alcançaremos.
Há várias possibilidades de alcançar essa Paz...uma visão, que vai de encontro aos ideais deste blog, poderá ser a do compositor Olivier Messiaen que, a dada altura da vida, diz: "A minha Fé outorga-me um optimismo total, porquanto no fim de tudo encontramos a Ressurreição".

Para mim é irresistível a presente publicação. Não consigo guardar mais tempo na minha discoteca o tesouro musical que agora é publicado. Pelas palavras de bons conhecedores do panorama da música e conhecedores do inspirado punho de Joaquim dos Santos, Senhor Jesus Cristo é uma verdadeira pérola da música litúrgica em Portugal. Um curto e simples cântico que pode ser usado na comunhão, pós-comunhão ou no final.


Senhor Jesus Cristo,
que dissestes aos vossos Apóstolos:
-"Deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz";
ó Senhor Jesus, dai-nos a paz.

Não obstante a beleza desta pequenina e enorme criação do nosso Maestro, a interpretação extremamente pessoal do grupo vocal Ançã-ble espelha toda a riqueza da composição...simples e de efeito majestoso.

...à descoberta de Joaquim dos Santos...


O novo ano não podia começar de forma mais interessante para o nome e obra do Maestro Joaquim dos Santos...
É certo que, o que é noticiado agora, não tem a dimensão de obras académicas de uma vida, obras que exigem dos autores um enorme esforço de pesquisa e aplicação de sabedoria a vários níveis. Mas tão importante como uma tese ou investigação de grande fôlego, são os pequenos trabalhos de classe que dois alunos, do ensino superior, estão a realizar neste momento. Como já disse, não têm a dimensão abrangente de uma tese ou investigação científica minuciosa mas significam tanto como esses trabalhos que já vão existindo (nomeadamente a tese da Dra. Carla Simões – Universidade do Minho, ano 2000), pois demonstram o crescente interesse da comunidade académica pelo nome e obra de um compositor que ameaça, de uma vez por todas, entrar para as luzes da ribalta.
É importante que o nome e obra de Joaquim dos Santos tenha uma divulgação nos grandes meios artísticos de Portugal, Europa e do Mundo mas o que acontece agora é digno do mesmo relevo, pois acontece nos centros onde estudam os intérpretes de amanhã. É com estes e com outros simples trabalhos, que possam começar a surgir, que o nome e obra de Joaquim dos Santos começará a ter divulgação no mundo académico. Não poderia estar nos locais mais exactos…no mundo dos estudantes de música, no mundo académico da música. Nada melhor para iniciar este novo ano, Joaquim dos Santos no meio daqueles em quem sempre acreditou e para quem compôs muita música, dedicando-lha e oferecendo-lha.
Um bem-haja para a Paula Ferreira, aluna da Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo do Porto no curso de música antiga variante de canto, que realiza um pequeno trabalho sobre a Canção Popular Portuguesa, cultivada pelo Maestro, para a unidade curricular Músicas do Mundo e outro bem-haja para o José António Machado, aluno da Escola de Artes da Universidade Católica do Porto no curso de música sacra – especialização em órgão, que realiza outro pequeno trabalho sobre duas obras corais sinfónicas para as cadeiras de Épocas de Cultura e Mundividência e Metodologias de Investigação.

http://www.esmae-ipp.pt/
http://www.porto.ucp.pt/site/custom/template/ucptplcrhome.asp?sspageid=257&lang=1