Mensagens

A mostrar mensagens de 2008

Inauguração do Novo Órgão do Instituto de Santo António dos Portugueses | Fotos

Imagem
Neste blog foram dedicados dois artigos ao novo órgão do Instituto de Santo António. Quando foram escritos não havia nenhuma foto disponível... Para fechar o ano de 2008 fica a publicação destas fotografias onde figura um instrumento que promete estar voltado para o futuro...da música e dos órgãos! Um obrigado a todos que, durante este meio ano, seguiram o blog dedicado à memória do Padre Compositor Joaquim Gonçalves dos Santos. Que 2009 traga boas novidades e acontecimentos para a música em Portugal... [fotos de G. Luna - gentilmente cedidas pelo IPSAR] Ver na Agenda IPSAR

Um dia sagrado | Dia de Natal | Música para a Liturgia

Dia que fica registado neste blog dedicado a um homem com um sentido de religiosidade extremamente acentuado, um Amigo que nunca negou o Amor a Cristo e que colocava a sua alma de Sacerdote em tudo o que fazia , particularmente na Música que compôs. Um dia sagrado brilhou sobre nós. Vinde, ó povos adorar o Senhor, porque uma grande luz desceu sobre a terra. Exultam de alegria os povos da terra, porque o Senhor vem salvar-nos. Aleluia. O Senhor é rei: exulte a terra, rejubile a multidão das ilhas. Ao seu redor, nuvens e trevas, a justiça e o direito são a base do seu trono. Os seus relâmpagos iluminam o mundo, a terra vê-os e estremece. Os céus proclamam a sua justiça e todos os povos contemplam sua glória. Obra litúrgica, própria do Natal, publicada no ano de 1988 na edição número 47 da Nova Revista de Música Sacra. Dividida em três partes, esta obra é destinada à liturgia. Com uma antífona de efeito extremamente brilhante e anunciativo, a música, está envolvida numa majestade c

"Esperando o Natal da Música" | Joaquim dos Santos

Imagem
Há cerca de um ano a Agência Ecclesia publicou no seu site um artigo do Maestro. Muito sugestivo... (11.12.2007) "Chegou-me às mãos uma entrevista de duas grandes personalidades (o Monsenhor Franco Ravasi e o grande Maestro Riccardo Muti da orquestra La Scala de Milão), focando especialmente a música de Natal e tecendo profundas considerações sobre o seu carácter, a sua finalidade, etc. Começo por recordar uma frase de Cassiodoro aí citada “se cometerdes injustiça Deus deixar-vos-á sem música”, e cujo comentário aí expresso diz que em parte isso vai acontecendo quando a música se torna ruído - este é já um castigo. Se da música em geral passarmos à música sacra - natalícia ou outra - que deve ser oração, serenidade contemplativa e beleza, se nesta houver algo de contraditório ao acima exposto, então passamos inexoravelmente à aplicação daquela famosa frase “corruptio optimi, pessimum.” Num escrito recente de há oito dias apenas (2 de Dezembro de 2007) a escritora brasileira Ad

Novo Órgão do Instituto de Santo António dos Portugueses em Roma

Imagem
Foi no passado Domingo que, em Santo António dos Portugueses, foi inaugurado o novo e moderno Órgão construído pela Casa Mascioni. Órgão voltado para o futuro, órgão que respeita a tradição. O Concerto inaugural foi da responsabilidade do grande Mestre Jean Guillou. Que dia memorável, que momento de indescritível grandeza. O Mundo, sem o saber, ficou muito mais rico. Começou com a Celebração Eucarística presidida pelo Mons. Gianfranco Ravasi, Presidente do Pontificio Consiglio della Cultura , que proferiu uma bela homilia, proferiu palavras de exaltação à Música, nas suas variadas formas, palavras de exaltação à Música que é feita para Deus. Pormenor simples, mas de grande efeito meditativo, foi o de, até à bênção do instrumento, a celebração ter sido sustentada apenas pela voz humana, a cappella . Depois da homilia, a bênção do órgão chegou e finalmente a nova voz fez-se ouvir! Eis que essa voz invade toda a igreja de Santo António, um som, uma voz que pare
Imagem
Há um ano foi assim...dia 5 de Dezembro de 2007... "Hoje, na igreja de Santo António dos Portugueses, em Roma, é apresentado em estreia o Concerto para violoncelo e orquestra do padre-compositor bracarense Joaquim Santos. É solista um violoncelista italiano com uma orquestra romana, dirigida pelo maestro Massimo Scapin. Por altura da Imaculada Conceição, que se celebra a 8 deste mês, o Instituto de Santo António dos Portugueses em Roma promove desde há alguns anos um concerto. Obras de J. Santos têm sido uma presença regular. Junho, mês de Santo António, é outro momento escolhido por esta instituição para idênticas iniciativas. J. Santos já apresentou lá várias dezenas de obras onde se incluem um Concerto para piano e Orquestra. Soube pelo autor, que lá se encontra, que uma das melodias que aparece pertence aos martírios que são de Braga. Por ironia do tempo hoje celebra-se na Roma Portuguesa a festa dos padroeiros Martinho de Dume, Frutuoso e Geraldo.

Novo Órgão Mascioni de Santo António dos Portugueses

Imagem
No próximo domingo, dia 7 de Dezembro, será inaugurado o novo e moderno Órgão da Igreja do Instituto de Santo António dos Portugueses em Roma. A construtora do mesmo é a conceituada casa Mascioni, do norte de Itália, com mais de 1100 órgãos construídos desde 1829 estando alguns dos seus exemplares nas mais prestigiadas igrejas e salas de espectáculo do mundo. A inauguração do novo e moderno Órgão será feita pelo seu projectista e nada pouco famoso: Jean Guillou , grande organista francês, titular de Santo Eustáquio em Paris, amado por uns, contestado por outros com pouco alcance visionário, discípulo do enorme Olivier Messiaen bem como de Marcel Dupré e Maurice Duruflé. Assim sendo, por volta das 17h do próximo domingo, o Maestro Jean Guillou, fará acordar o colossal instrumento que nasceu em pleno coração de Roma na Igreja dos Portugueses. Com certeza que nada disto aconteceria se não fosse o trabalho incansável do Reitor do importante

Dr. Joaquim Santos apresenta obras em Roma

Imagem
Assim continua a publicação dos artigos da imprensa regional de Basto dedicados ao Padre e Maestro Joaquim dos Santos. Páginas singelas duma importância singular que nos ajudam a perceber o Joaquim dos Santos que se toca nos locais remotos do nosso país; páginas que nos apresentam o Joaquim dos Santos que constantemente "viajava" de terra em terra e voltava à "sua" cidade de Roma para aí também ver, ouvir e sentir a execução das suas obras, desde a mais simples e natural à mais grandiosa e complexa das suas criações. "Três obras de autoria do Padre Joaquim Santos foram apresentadas, uma vez mais, em Roma mais precisamente na Igreja de Santo António dos Portugueses, no passado dia 23 de Fevereiro [2008]. Tratou-se da primeira audição de Servite Domino in Laetitita , com o subtítulo de Impressões Bíblicas para Piano . Segundo informação divulgada, o compositor parte de três salmos [1, 99 e 132] e elabora uma espécie de interpretação musical dos textos bíblicos.

Grupo Vocal Ançã-ble em Concerto...

Imagem
O ANÇÃBLE, constituído por uma família da Ançã (de onde retira o nome pelo qual se designa num jogo de palavras que dispensa explicações), é um conjunto vocal que se tem dedicado à música sacra portuguesa, com natural incidência sobre o período áureo (séc. XVI - XVII ) - segundo uma classificação comumente aceite - da música vocal em Portugal. No dia 7 de Dezembro (sábado) o Grupo Vocal Ançã-ble apresenta-se em concerto no Senhor da Cruz - Barcelos. Entre outras obras, serão apresentados Três Motetes para coro misto e órgão, próprios do Tempo de Advento/Natal, do Maestro Joaquim dos Santos; são eles Um dia sagrado brilhou sobre nós (Dies Sanctificatus Illuxit Nobis); Hoje sobre nos resplandece uma luz (Hodie Illuxi Nobis) ; Na Terra o Verbo se fez carne .

Prologus | Ana Telles | Recital de Piano

Imagem
Foi ontem, em Lamego, o Recital da Pianista Ana Telles... Bach, Liszt, Joaquim dos Santos e Messiaen – “ Programa exclusivamente composto por obras de compositores cujo sentido da religiosidade foi muito pronunciado.” O Concerto abriu com o Prelúdio Coral BWV 639, "Ich ruf' zu dir, Herr Jesu Christ" , que rapidamente capturou toda a sala; se alguém tinha dúvidas que estava ali para assistir a um belo recital de piano, em três minutos apenas, pode sentir que a música de Bach chegou e prendeu os sentidos de quem ouviu a profunda e bonita interpretação de Ana Telles. Logo de seguida invadiu-nos o virtuoso Franz Liszt… Quem esperava o virtuosismo de uma Rapsódia Húngara ou de um Estudo Transcendental, como no meu caso, enganou-se! “Predicação de São Francisco às Aves” , obra muito menos conhecida e divulgada, aliás, como grande parte da obra sacra deste compositor (se bem que não se deve confundir esta obra para piano com qualquer outra dita sacra ou litúrgica!). Ana Tell

NRMS 128 | IN MEMORIAM | Padre Joaquim Gonçalves dos Santos

Imagem
N o final do passado mês de Outubro saiu o número 128 da Nova Revista de Música Sacra . Número IN MEMORIAM do colaborador habitual – Padre Joaquim Gonçalves dos Santos. Um IN MEMORIAM que não merece mais de meia página ... Meia página para quem dedicou mais de 30 anos à NRMS e à Comissão de Música Sacra de Braga. Meia página sem o acompanhamento de uma única partitura de “J. Santos” porque “todos os cânticos que escreveu para a NRMS foram publicados.” … “todos os cânticos que escreveu para a NRMS foram publicados.”…!? Quando regressou à Arquidiocese em 1968, o Padre Joaquim Gonçalves dos Santos, não trabalhou interinamente (provisoriamente) no Seminário e no Instituto Superior de Teologia; trabalhou até 1987…trabalhou até, por motivos pessoais, deixar de leccionar nos mesmos… É quase impressionante ver como tratam a obra do Maestro Joaquim dos Santos… Nuno Costa

Dr. Joaquim Santos apresenta Fantasia Conventual...

Imagem
Há cerca de um ano assim aconteceu... No dia 10 de Novembro no Mosteiro de Tibães... Uma Fantasia Conventual foi executada num Convento... "O Cabeceirense Dr. Joaquim Santos, promoveu no dia 10 de Novembro, no Mosteiro de S. Martinho de Tibães, em Braga um belo concerto intitulado Fantasia Conventual. Uma iniciativa da Junta de Freguesia que com a colaboração da Paróquia, do Museu e da Universidade do Minho, através do IEC e da Orquestra de Câmara do Minho, apresentou em estreia absoluta uma breve mas intensa obra do Dr. Joaquim Santos. Uma obra para instrumentos de sopro com dois incisos de canto gregoriano Parce Domine e Rorate coeli, interpretados pela soprano Magna Ferreira num diálogo bem conseguido com um ensemble de sopros e percussão, sob a batuta do maestro Vítor Matos. Segundo opiniões divulgadas, a linguagem da obra é ousada e imaginativa como toda a criação do Dr. Joaquim Santos. A obra é tripartida, uma introdução, um desenvolvimento como se de uma meditação monást

Prologus | Ana Telles | Recital de Piano

Imagem
Teatro Ribeiro Conceição - Lamego TER. 18 Novembro, 22h00 Ana Telles , piano solo Concerto Comentado Programa: J. S. Bach - F.Busoni, Dois corais-prelúdios F. Liszt, "Predicação de S. Francisco às aves" J. Santos, " Prologus " O. Messiaen, "Première communion de la Vierge" e "Noël", dos "Vingt regards sur l'Enfant Jésus" Duração aprox.: 60 minutos Preço A : 5€ a 24€ Todos os Públicos http://www.cm-lamego.pt/

Canção Popular de Encomendação das Almas: "Pecador Adormecido"

Imagem
Mês de Novembro, mês dedicado às almas...assim o pede a Igreja Católica Romana... "O Dia dos Fiéis Defuntos, Dia dos Mortos ou Dia de Finados é celebrado pela Igreja Católica no dia 2 de Novembro, logo a seguir ao dia de Todos-os-Santos. Desde o século II, os cristãos rezavam pelos falecidos, visitando os túmulos dos mártires para rezar pelos que morreram. No século V, a Igreja dedicava um dia do ano para rezar por todos os mortos, pelos quais ninguém rezava e dos quais ninguém lembrava. Também o abade de Cluny, santo Odilon, em 998 pedia aos monges que orassem pelos mortos. Desde o século XI os Papas Silvestre II (1009), João XVII (1009) e Leão IX (1015) obrigam a comunidade a dedicar um dia aos mortos. No século XIII esse dia anual passa a ser comemorado em 2 de novembro, porque 1 de novembro é a Festa de Todos os Santos." (wikipédia) Na sequência do misticismo que a morte exerce sobre nós, procuramos, ao longo de séculos, responder e perceber

para ouvir..."Espadeladas" - violino, viola d'arco e harpa

interpretação de Barbara Agostinelli (violino), Paolo Finotti (viola d'arco), Simonetta Perfetti (harpa). Gravado ao vivo no dia 1 de Fevereiro de 2004 na Igreja de Santo António dos Portugueses em Roma. Depois de Debaixo da Oliveira , O Ratinho mal criado e Ó Tia Aninhas segue a canção Espadeladas ... Termina assim a publicação das Quatro Canções Populares Portuguesas para violino, viola d'arco e harpa. Também esta bela melodia foi alvo de arranjos para coro...belíssimos arranjos... "Estas Quatro Canções Populares Portuguesas fazem parte duma colecção de algumas dezenas por mim recolhidas no Minho e Trás-os-Montes, nas décadas de 70 e 80. As quatro, agora apresentadas para [violino, viola e harpa], nascem da sugestão do Monsenhor Agostinho da Costa Borges, Reitor do Instituto de Santo António dos Portugueses em Roma, destinando-se a [três] artistas seus amigos que as irão executar. Procurei, mesmo nas pequenas variações ao tema, conservar a simp

Travessia, o Oratório | Concerto 22 de Outubro de 2006

Imagem
capa dos programas de concerto do oratório Travessia (Diocese de Vila Real 2006) Há precisamente dois anos, na Sé Catedral de Vila Real, teve lugar a primeira apresentação integral de um Oratório, único e singular, quer na forma, quer na abordagem do Texto, um Oratório que evoca as gentes e terras de Trás-os-Montes e Alto Douro, um Oratório que conta e canta a história de um Povo, um Oratório que anuncia o futuro desse mesmo Povo, um Oratório dedicado às gentes simples e desconhecidas desse pedaço de terra que é Trás-os-Montes… Com texto do Bispo de Vila Real – D. Joaquim Gonçalves, esta obra de um fôlego que não está ao alcance de quem se ilude com uma escrita musical aparentemente acessível, esta obra de interpretação extremamente complexa, esta obra de um lirismo arrebatador apenas podia brotar da sensibilidade, sabedoria e maturidade de um colossal e extremamente humilde Ser Humano como este que conheci e conheço – Joaquim dos Santos… «…gosto muito de todas as minhas obras, desd

"Novas da Grande Música" (3) | 30.09.2006

Imagem
Continuando a divulgação da rubrica "Novas da Grande Música" , é publicado outro artigo neste blog. Relembro que estes artigos foram publicados desde 2005 pelo Ecos de Basto – Jornal Regionalista trissemanal – escritos pelo Professor Paulo de Almeida . A recolha destes artigos locais continuará a ser divulgada no presente blog... "Eis-nos aqui de novo para vos dar a conhecer as Novas da Grande Música. Com efeito, no ano do septuagésimo aniversário do nosso estimado e grande amigo Joaquim Gonçalves dos Santos, o Instituto de Santo António dos Portugueses em Roma, pela mão do Reverendo Monsenhor Agostinho da Costa Borges, lançou, homenageando o compositor, uma colectânea de quatro CDs em que houve o cuidado de seleccionar obras representativas da sua produção e que são um reconhecimento da sua actividade musical. Nestes CDs ressaltam algumas formas fundamentais: obras de música sacra, obras para solo instrumental, obras de música de câmara e obras sinfónico-concertantes

para ouvir... "Ó tia Aninhas" - violino, viola e harpa

interpretação de Barbara Agostinelli (violino), Paolo Finotti (viola d'arco), Simonetta Perfetti (harpa). Gravado ao vivo no dia 1 de Fevereiro de 2004 na Igreja de Santo António dos Portugueses em Roma. Eis o terceiro tesouro musical da colectânea Quatro Canções Populares Portuguesas . Aqui no blog, já é possível ouvir "Debaixo da Oliveira", "O ratinho malcriado" e agora "Ó tia Aninhas". Nunca é demais repetir que esta canção, tal como as anteriores aqui publicadas, foi alvo de vários arranjos realizados pelo Maestro Joaquim dos Santos... A nota introdutória que acompanha a partitura das Quatro Canções Populares Portuguesas ... "Estas Quatro Canções Populares Portuguesas fazem parte duma colecção de algumas dezenas por mim recolhidas no Minho e Trás-os-Montes, nas décadas de 70 e 80. As quatro, agora apresentadas para [violino, viola e harpa], nascem da sugestão do Monsenhor Agostinho da Costa Borges, Reitor do Instituto de Santo António

"Novas da Grande Música" (2) | 15.06.2006

Imagem
No seguimento do que se tinha dito anteriormente, continua a publicação dos artigos "Novas da Grande Música" - rubrica publicada desde 2005 pelo Ecos de Basto – Jornal Regionalista trissemanal – que tem a assinatura do caro Professor Paulo de Almeida . Foi com este aliciante título que se publicaram vários artigos sobre algumas das actividades do nosso Maestro e da sua Música. "Novamente aqui estamos para darmos a conhecer as Novas da Grande Música. Desde Dezembro (de 2005) até à presente data o mundo ficou mais rico pois os sons que o povoaram e que nasceram numa povoação do nosso concelho (Moimenta-Cavês) pela mão de Joaquim dos Santos para isso contribuíram. Ora vejamos então quais foram os sons que povoaram este nosso mundo!... A 7 de Dezembro na Igreja de Santo António dos Portugueses em Roma a Orquestra Sinfónica Tiberina e o Coro Feminino da igreja atrás referida, sob a orientação do Maestro Massimo Scapin no «Concerto dell’Immacolata» executaram “Carmen Fatimale

"Novas da Grande Música" (1) | 30.11.2005

Imagem
Foi com este aliciante título que se publicaram vários artigos sobre algumas das actividades do nosso Maestro e da sua Música. “Novas da Grande Música” é uma rubrica publicada desde 2005 pelo Ecos de Basto – Jornal Regionalista trissemanal – que tem a assinatura do caro Professor Paulo de Almeida . Páginas singelas duma importância singular que nos ajudam a perceber o Joaquim dos Santos que se toca nos locais remotos do nosso país; páginas que nos apresentam o Joaquim dos Santos que constantemente "viajava" de terra em terra e voltava à "sua" cidade de Roma para aí também ver, ouvir e sentir a execução das suas obras, desde a mais simples e natural à mais grandiosa e complexa das suas criações. Todos os artigos “Novas da Grande Música” serão gradual e aleatoriamente publicados neste blog. Com a sua publicação abre-se mais uma janela na divulgação da actividade musical de Joaquim dos Santos, e dá-se a oportunidade de conhecer a música que foi realizada um pouco p

Missa Solene em Honra de Nossa Senhora de Fátima: Manuel Faria | Joaquim dos Santos

Imagem
Aproveito o dia dedicado à Música para publicar, aqui no blog, uma obra pela qual o Maestro Joaquim dos Santos sempre teve um especial carinho e admiração... Discípulo dilecto e Amigo de Manuel Faria, o Maestro, demonstra bem, na sua orquestração, o respeito e conhecimento, único e admirável, que sempre teve em relação à obra do insigne Manuel Faria. A presente Missa foi composta para Coro e Órgão entre os anos de 1941/45; "escrever uma missa de grandes proporções é a consagração: confirma, por esta forma, o louvor recebido a quando da recepção do mais alto grau do Instituto [de Música Sacra - Roma]" (Francisco Faria, NRMS 27-28; 1983) "Dos compositores portugueses, (...), foi sem dúvida o contacto com o compositor Manuel Faria que o conduziu [Joaquim dos Santos] a um estilo enquadrado na estética contemporânea da Música Sacra Portuguesa. Tendo em conta a comunhão de Joaquim dos Santos com os princípios criativos do último, dois elementos da Comissão d

para ouvir... "O ratinho malcriado" - violino, viola e harpa

interpretação de Barbara Agostinelli (violino), Paolo Finotti (viola d'arco), Simonetta Perfetti (harpa). Gravado ao vivo no dia 1 de Fevereiro de 2004 na Igreja de Santo António dos Portugueses em Roma. O ratinho malcriado é outra das várias canções populares recolhidas e trabalhadas por Joaquim dos Santos (cerca de meia centena). Esta canção, tal como a anterior publicada no blog, sofreu vários arranjos, estando a presente versão, também, incluída na colectânea Quatro Canções Populares Portuguesas para violino, viola e harpa (2003). Mais uma vez se publica a nota introdutória da colectânea das canções populares... "Estas Quatro Canções Populares Portuguesas fazem parte duma colecção de algumas dezenas por mim recolhidas no Minho e Trás-os-Montes, nas décadas de 70 e 80. As quatro, agora apresentadas para [violino, viola e harpa], nascem da sugestão do Monsenhor Agostinho da Costa Borges, Reitor do Instituto de Santo António dos Portugueses em Roma, destinando-se a [tr

Dr. Joaquim dos Santos: a música no coração...

Imagem
O Dr. Joaquim Gonçalves dos Santos é quase um ilustre desconhecido em Cabeceiras de Basto, não obstante as suas múltiplas actividades e ser um mestre, um expoente nacional em composição musical, canto gregoriano e ‘mais umas coisitas’. Nasceu em Vilela, freguesia de Riodouro, a 13 de Abril de 1936, segundo filho do casal, o pai da Casa da Casinha de Moimenta – Cavês e a mãe da Casa do Torno, de Vilela. Desde os cinco, seis meses, viveu em Moimenta, onde criou as suas raízes, onde frequentou a escola primária, recordando ainda as suas professoras e nomeadamente a da quarta classe, a D. Aninhas de Rabiçais – Moimenta (D. Ana Barroso de Carvalho). Concluído o ensino primário fez a admissão ao Seminário de Braga, onde ingressou em 1950 e aí permaneceu até 1962, ‘sem perder nenhum ano’ e abraçar a vida sacerdotal. Da escola primária recorda com emoção as diferenças sociais existentes, já que, ‘sendo filho de lavradores, vivia bem para essa altura’. Recorda ainda o dia em que andando ‘à bul

para ouvir... "Debaixo da Oliveira" - violino, viola e harpa

interpretação de Barbara Agostinelli (violino), Paolo Finotti (viola d'arco) e Simonetta Perfetti (harpa). Gravado ao vivo no dia 1 de Fevereiro de 2004 na Igreja de Santo António dos Portugueses em Roma. Debaixo da Oliveira é uma de várias canções populares recolhidas e trabalhadas por Joaquim dos Santos (cerca de meia centena). Esta canção sofreu vários arranjos, estando a presente versão incluída na colectânea Quatro Canções Populares Portuguesas para violino, viola e harpa (2003). Na habitual nota que acompanha grande parte das suas composições, Joaquim dos Santos, escreveu: " Estas Quatro Canções Populares Portuguesas fazem parte duma colecção de algumas dezenas por mim recolhidas no Minho e Trás-os-Montes, nas décadas de 70 e 80. As quatro, agora apresentadas para [violino, viola e harpa], nascem da sugestão do Monsenhor Agostinho da Costa Borges, Reitor do Instituto de Santo António dos Portugueses em Roma, destinando-se a [três] artistas seus amigos que

Da minha parte muito obrigado II - sinopse do texto e excertos musicais da obra.

Imagem
Travessia Oratório em quatro quadros distribuídos por duas partes 2005 Joaquim dos Santos música D. Joaquim Gonçalves texto A Travessia é uma evocação cristã de Trás-as-Montes e Alto Douro , mormente da área diocesana de Vila Real, e, simultaneamente, uma reflexão sobre os desafios culturais da sociedade actual . A primeira ideia deste texto nasceu durante a preparação das Bodas de Diamante da Diocese celebradas em 1997. Ao programar os actos festivos daquela data jubilar, sentiu-­se a necessidade de algo que sublinhasse a relação vital da Diocese com a geografia e a história de Trás-os-Montes e assim ajudasse a compreender que uma Diocese é mais que um centro de administração eclesiástica, é a própria comunidade local em marcha, com os seus encantos naturais, as tradições do seu povo, os problemas e desafios sociais de cada época, tudo assumido pelo Espírito de Cristo numa síntese de vida. Na verdade, a Igreja não passa ao lado do mundo, mas faz suas as alegrias e as trist