quarta-feira, 22 de abril de 2009

Uma missa solene para o Tempo Pascal | Crítica...

Na passada sexta-feira, como tinha sido também anunciado neste blog, o Coral de Chaves e o Grupo Vocal Ançã-ble levaram a cabo um Concerto de homenagem ao saudoso e amigo Maestro Joaquim dos Santos. O programa intercalou com a música sacra de W.A.Mozart e a música, própria para a liturgia, de Joaquim dos Santos. Este Concerto mereceu a atenção nos meios de comunicação locais, nomeadamente os jornais, onde foi publicado um artigo redigido pelo maestro do Coro Cidade de Vila Real - Adérito Silveira.

Transcreve-se...
Coroação em Chaves
*Adérito Silveira

"Ouvindo a Missa da Coroação, sabemos também que Mozart era o preferido de Deus…

Com a Missa da Coroação (composta em 1779), Mozart quis ganhar o Paraíso, revelando uma das suas obras de maior vulto e carisma. É possível pensarmos assim, sobretudo quando em total silêncio sentimos os pianíssimos que quase nos cortam a respiração e nos transportam para um indizível sentir. Esta obra colossal, é de uma grandeza criativa e espiritual impressionantes…

O maestro actual do Coral de Chaves, Nuno Costa, esteve à altura desta obra sublime e intemporal, através da versatilidade, clareza e rigor da sua expressão corporal e gestual; a assistência, recolhida no absoluto silêncio, plasmava-se pela qualidade interpretativa denotando num respeito introspectivo as emoções que aos poucos se transformavam em comoção religiosa e espiritual.

Este Concerto de Páscoa, teve lugar na Igreja de Santa Maria Maior, espaço de excelência acústica, onde a luz da interioridade facilmente se reencontra com a palavra da verdade, através da voz e do canto, veiculados pelo Coral de Chaves e por um conjunto de vozes solistas, impregnadas de um lapidar domínio técnico de tocante expressividade. Ouvindo a Missa da Coroação, sabemos também que Mozart era o preferido de Deus, porque todos os ingredientes artísticos da obra se conjugam numa perfeita síntese rara de emoções e beleza e de sublime inspiração divina!...

A colaboração do Grupo Vocal Ançã-ble, foi, na verdade, determinante para que o concerto fosse coroado de um êxito assinalável, a evidenciar a dimensão artística de dois compositores de craveira mas sobretudo estrondosos na dimensão humana que nos deixaram.

E, com fulminantes raios de luz, as investidas de algumas vozes faziam emergir das trevas toda a luminosidade da Criação da Obra de Deus…

Que bem interpretou o Grupo Vocal Ançã-ble e o Coral de Chaves a obra litúrgica do Dr. Joaquim dos Santos. Música em sintonia com o homem de fé profunda e com o artista de fina sensibilidade. Obra reveladora de deslumbrante singularidade no uso de uma linguagem exponencial e plena de humanidade. Neste momento, sinto-me invadido de orgulho em poder dizer que o Dr. Joaquim dos Santos, foi meu estagiário (1980-82): o mais insigne e talentoso Professor de Música que conheci. Aprendi muito com ele. Aprendi sobretudo que a humildade é um requisito mágico que provoca em nós a serenidade de espírito que enleva e nos transforma, que nos redime da vergonha dos nossos pecados. Creio que o coração terá sido a força motriz para a vasta obra do Dr. Joaquim dos Santos.

Num mundo abalado e doente pela falta de valores, precisamos cada vez mais da devoção da música coral: candeia acesa e eterna que não deve deixar nunca de nos alumiar. Nestes lugares sagrados, a música apela à razão, à magia e a espiritualidade conflui e acontece no mesmo rio e no mesmo desaguar…

Para além do Maestro Nuno Costa, devemos reter na memória: Pe. Pedro de Miranda/ direcção do Grupo Vocal Ançã-ble, Paula Ferreira/ soprano, Ana dos Santos/ mezzo-soprano, Bruno Nogueira/ tenor, José Carlos de Miranda/baixo, Tiago Ferreira/órgão…e já agora um reconhecimento muito especial à Professora Florinda Carneiro, pessoa dedicada competente e afável dando o seu melhor em favor do Coro e da sua cidade…

Está pois de parabéns o Coral de Chaves, que mostrou todo o seu vigor e vontade de trabalhar, impressionando todos os que estiveram presentes superando todas as expectativas… Pena, pena, foi a Igreja Matriz, não estar completamente cheia para mais gente testemunhar a qualidade do concerto que eu e toda a comitiva do Coro de Vila Real nos penitenciamos…"


aderito.silveira@hotmail.com
Maestro do Coro da Cidade de Vila Real


O programa apresentado foi o seguinte:

Ordinário da Missa da Coroação, Kv. 317, de W. A. Mozart
Próprio da missa com a obra litúrgica de Joaquim dos Santos

Intróito Levanto os meus olhos para os montes

Kyrie & Gloria

Salmo responsorial Desde a aurora Vos procuro
Aclamação ao Evangelho Aleluia (coda em fuga para Aleluia de Fernandes da Silva) - inédito

Credo

Ofertório Dois motetes sobre o Mistério Pascal - inédito
Crucem tuam e Christus factus est

Sanctus & Benedictus

Introdução ao rito da Paz Senhor Jesus Cristo

Agnus Dei

Comunhão Ressuscitou o Bom Pastor
Meditação Eucarística Onde há caridade verdadeira
Final Nasceu o sol da Páscoa - versão inédita

Encore Tomai, Senhor, e recebei